introdução

Baseada em São Paulo, tenho atuado em pesquisas, projetos experimentais e plataformas colaborativas entre arte e arquitetura, com diferentes atores e diversos lugares [Nairobi, Londres, Basel, Ordos, Brasília, Fortaleza, Bruxelas, Rotterdam, Istambul, Salvador, Nova York, Stuttgart, dentre outros]. Encantam-me os desenhos, os agenciamentos e a potência dos encontros. De mútliplas maneiras, os diagramas e as práticas diagramáticas – compreendidos como jogos de forças e modos de pensar, agir, visualizar e espacializar – atravessam meus interesses e trajetória, desdobrados em três linhas que se entrecruzam:

Diagrama como notação visual e espacial: presente nos desenhos de coisas, fotos e textos; no mestrado sobre diagramas e práticas diagramáticas nos processos de criação na arquitetura contemporânea (Architectural Association School of Architecture, Londres, 1999); nos projetos de pesquisa urbana e mapeamento como Nairobi (2007-09) e São Paulo S.A. (2002-07); em práticas de ensino e aprendizagem em universidades – ETH Studio Basel, FAU Mackenzie e Escola da Cidade; na pesquisa artística Desencaixotando Brasília (2010/12); e na co-curadoria-expografia do projeto Mano Fato Mano (2014-15).

Diagrama como agenciamento de forças – institucionais, estéticas, políticas e territoriais:
presentes em experiências coletivas de fundar e codirigir a plataforma exo experimental org. (2002-07); como curadora-adjunta da X Bienal de Arquitetura de São PauloCidade: modos de fazer, modos de usar (2013) e particularmente do módulo modos de colaborar no Sesc Pompeia; nos projetos e workshops do São Paulo Lab / Studio X (2009-13); na estruturação de sites institucionais como da ETH Studio Basel (2007-08); na mediação em workshops e seminários; e em vários textos incluindo a economia de um curto-circuito (2001), a cidade e seus espaços (2014), na laje: nossa arquitetura em construção (com Kazuo Nakano, 2003/2008), dentre outros.

Diagrama como ferramenta ritual, artística e agência: este vetor agencia diferentes mundos e ontologias, principalmente na minha pesquisa atual de doutorado com os 'pontos riscados' no modo de vida Aruanda (2015–); presente também na proposta the distribution of qualities (2010), e nos textos carta ao meu tio (2014), modos de aproximação (2011) e time of co-habitation (2012-14), Modo de vida Aruanda (2015).